O meu amor…

No último domingo, 25 de março, presenciei mais um show de um dos grandes nomes da história da música brasileira.

Dessa vez foi o show do Chico Buarque, voltando à cena depois de alguns bons anos fora do palco.

Chico Buarque

Chico Buarque

Gostei bastante do show, é algo bem “um banquinho e um violão” – as mulheres que me desculpem, mas ele está longe de ser um Grande artista da palco. Achei bem legal que no disco atual ele ousou nas músicas e não ficou no “arroz com feijão” da MPB, brincando e dialogando com outros estilos musicais. Achei muito legal também a ‘contra-homenagem’ que ele fez ao Rapper Crioulo ao cantar o Crioulo Remixando a música Cálice (Chico Buarque, 1978) feito por este da música Cálice – Chico Buarque.

 

A participação de Wilsinho das Neves, parceiro de Chico Buarque (nas composições e no palco) foi fantástica, vê-lo no palco é algo que só pode ser explicado por um poeta como Vinícius de Moraes:

Chico Buarque e Wilson das Neves

Chico Buarque e Wilson das Neves

 

 

 

Porque o samba nasceu lá na Bahia

E se hoje ele é branco na poesia

Se hoje ele é branco na poesia

Ele é negro demais no coração

 

 

 

 

E de toda a sorte infinita de composições que o Chico poderia cantar, ele escolheu, no dia em que eu estive lá com meu Amor, cantar O Meu Amor, a nossa canção.

Chico

Chico

O meu amor

Tem um jeito manso que é só seu

E que me deixa louca

Quando me beija a boca

A minha pele toda fica arrepiada

E me beija com calma e fundo

Até minh’alma se sentir beijada, ai

O meu amor

Tem um jeito manso que é só seu

Que rouba os meus sentidos

Viola os meus ouvidos

Com tantos segredos lindos e indecentes

Depois brinca comigo

Ri do meu umbigo

E me crava os dentes, ai

Eu sou sua menina, viu?

E ele é o meu rapaz

Meu corpo é testemunha

Do bem que ele me faz

O meu amor

Tem um jeito manso que é só seu

De me deixar maluca

Quando me roça a nuca

E quase me machuca com a barba malfeita

E de pousar as coxas entre as minhas coxas

Quando ele se deita, ai

O meu amor

Tem um jeito manso que é só seu

De me fazer rodeios

De me beijar os seios

Me beijar o ventre

E me deixar em brasa

Desfruta do meu corpo

Como se o meu corpo fosse a sua casa, ai

Eu sou sua menina, viu?

E ele é o meu rapaz

Meu corpo é testemunha

Do bem que ele me faz

Dée…. TE AMO! Obrigado por esses 4,5 anos juntos!

Deixe uma resposta